Configurações de equalizador para o som perfeito

Configurações de equalizador para o som perfeito Gráfico ULTRAGRAPH-PRO FBQ6200HD BEHRINGER - Pro Áudio SP - Som Profissional
Equalizador Gráfico ULTRAGRAPH-PRO FBQ6200HD BEHRINGER – Pro Áudio SP – Som Profissional


Configurações de equalizador para o som perfeito

A maioria das pessoas é “no mínimo” familiar com o que é um equalizador. Para alguns de nós, aquelas filas de “faders” dispostas em uma espécie de smiley, você realmente sabe o que fazer quando se trata de mexer nas configurações do equalizador?

Esses Equalizadores Gráficos de estilo de componentes, praticamente desapareceram nos tape deck (apesar de descolados), mas o Equalizador permanece em formato digital, encontrado em tudo, de telefones  a  Caixas de Som sem fio e até serviços de streaming como o Spotify . Infelizmente, entender como um Equalizador funciona e usá-lo corretamente é um conceito muito mais complicado. Equalizadores colocam o poder da escultura sonora na ponta dos dedos e, como dizem,  com grande poder, vem uma grande responsabilidade . E enquanto um Equalizador não é um superpoder, ele pode te aproximar do som que você quer do seu equipamento … se você souber  o que está fazendo.  Aqui está o nosso guia de Equalização de cima para baixo.

Por que eu quero usar um Equalizador?

Os fabricantes de eletrônicos têm suas próprias ideias sobre como um equipamento deve soar, mas o Equalizador permite que você dê a sua opinião. Além disso, nem sempre conseguimos ouvir música em ambientes ideais. Muitos de nós ouvimos enquanto viajamos ou nos exercitamos, onde o formato da sala ou o ruído do ambiente podem ter um efeito desagradável em como nossa música soa. Um Equalizador pode ajudar.

Talvez você tenha um par de fones com “super graves” que você precisa diminuir um pouco. Ou talvez você ouça muito Rock, mas os agudos são muito nítidos e precisam ser retirados. Esteja você procurando mais “peso”, um som mais quente ou um baixo que chacoalhe suas entranhas, um Equalizador pode ajudá-lo a buscar o som que melhor lhe convier.

O que faz um equalizador?

equalizador pro audio sp som profissional
equalizador pro audio sp som profissional

Na sua definição mais básica, um equalizador manipula frequências. A tecnologia começou como uma peça de eletrônica analógica que foi usada inicialmente em estúdios de gravação antes de chegar às casas. Seja analógico ou digital, um Equalizador é usado para ajustar diferentes elementos de som para alcançar um resultado final que agrade ao ouvinte.

Você pode associar o Equalizador a efeitos como reverb ou eco, ou predefinições de Equalizador populares como “Rock”, “Jazz” ou “Concert”. Mas o tipo de Equalizador de que estamos falando simplesmente oferece controle sobre os diferentes registros de som para alcançar um resultado refinado. Se usado corretamente, o Equalizador pode suavizar o áudio apenas para o toque certo, o que significa adicionar um pouco de afinidade à parte inferior, tirando alguns pedaços de  agudos, ou qualquer coisa entre os dois.

O Equalizador Gráfico – que é o que vamos focar na maior parte do nosso passo a passo, parece um gráfico (sem brincadeira!). Com frequências em um eixo e decibéis (dB) no outro. Da esquerda para a direita, você encontrará “faders” que permitem ajustar certas bandas de frequência para cima ou para baixo ao longo da escala dB. As frequências de baixo começam à esquerda, com frequências de médios no meio e agudos na extrema direita (como um piano).

Se você já tem uma compreensão firme de quais frequências e decibéis são, sinta-se à vontade para pular para a seção “Brincando com seu Equalizador”, ou mesmo para os “Parâmetros do Equalizador”. 

Frequências

Todos os sons , tudo o que você ouve, são essencialmente vibrações que podemos visualizar como ondas movendo-se para cima e para baixo em diferentes velocidades ou frequências. Quanto mais rápido a onda se move, maior o tom. Por exemplo, frequências graves – como aquelas que você ouve em um grave do hip-hop, se movem muito lentamente, enquanto tons mais altos (agudos) como o badalar de um triângulo se movem muito rapidamente.

Para você conhecer, temos este áudio que começa com a frequência de 20KHZ e vai até 20HZ

Cada tom que um instrumento musical toca tem uma frequência central medida em hertz (Hz), que pode ser comparada a uma leitura de um velocímetro para a forma de onda. A Hertz mede quantas vezes (ou seja, a frequência) uma onda completa um ciclo de subida e descida em 1 segundo. Se a onda se move para cima e para baixo 50 vezes em um segundo, isso é expresso como 50Hz. No limite teórico, um humano pode ouvir de 20Hz a 20kHz (20.000 ciclos). Na realidade, porém, a maior parte da audição humana fica em torno de 15kHz ou 16kHz – quanto mais velho você é, menos agudos você pode ouvir.

Já que todo o som que você vai ouvir mora nessa zona de 20Hz a 20kHz, esses são os números que farão fronteira com seu equalizador típico. A maioria dos tons que seus ouvidos realmente focam vivem entre 60Hz e 4kHz – essa é a afinidade do som. A nota mais alta de um piano, por exemplo, vive a 4.186 Hz (em torno de 4,2 kHz). Também há sons chamados de sobre tons, e um Equalizador também os afetará. Esses sons, que vivem principalmente na vizinhança de 10kHz a 14kHz, não são algo que seus ouvidos captam naturalmente, mas têm um efeito no som como um todo, por isso é importante ter isso em mente quando mexer com esse som.

Decibéis (dB)

O decibel (dB) é a unidade de medida usada para expressar o volume. Quando você move um controle deslizante para cima ou para baixo em um Equalizador, você está aumentando ou diminuindo o volume dessa frequência em particular. É importante saber que pequenos ajustes de dB podem ter um grande efeito no som, portanto, ajuste levemente. É aconselhável começar com uma mudança de 1 dB para 2 dB e subir ou descer a partir daí. Como os decibéis usam uma escala logarítmica, uma alteração de 5 dB ou 10 dB representa um aumento ou diminuição drástica para uma determinada faixa de frequência.

Brincando com seu Equalizador

Finalmente, a parte divertida! Agora que você tem controle sobre o que seu Equalizador faz, é hora de começar a brincar com os ajustes. Vá em frente e comece a tocar algumas músicas com as quais você está realmente familiarizado, aumente seu Equalizador e mova alguns controles deslizantes para cima ou para baixo para ouvir em ação o que você está lendo. Você logo descobrirá que pequenos ajustes podem ter um efeito bem selvagem em como as coisas soam. Abaixo, vamos dar uma orientação sobre como abordar as coisas.

A maioria dos  engenheiros  de som profissional lhe dirá que a primeira coisa que você quer tentar com o Equalizador é diminuir o nível de uma frequência, em vez de aumentar os outros ao seu redor. Expandir muitas frequências pode fazer com que a música pareça confusa e, com um pouco de mudança aqui e ali, você pode subtrair um pouco do incômodo do som e se aproximar do que está procurando. Isso não quer dizer que um aumento em uma faixa de frequência não seja necessário às vezes, mas você deve sempre começar com a subtração. Lembre-se, também, que qualquer alteração no Equalizador não afetará apenas a faixa de frequência que você escolheu, mas também como o restante das frequências interagem entre si.

Você pode perceber que leva um momento depois de fazer um ajuste para ouvir o resultado. Isto é normal. Também é normal que você precise aumentar o volume geral depois de reduzir as frequências. Por exemplo, se você quiser mais graves e agudos em geral, você pode puxar para baixo alguns dos controles deslizantes de médio porte, em seguida, aumentar o volume um pouco e ver o que você acha do resultado. Não exatamente certo? Então é hora de se tornar mais direcionado com seus ajustes, e para isso, você precisa saber como é cada frequência. Nós temos um guia para você no final deste artigo que soletra as coisas muito bem

E quanto aos presets do Equalizador?

Pré-ajustes de Equalizador como “Rock” e “Jazz” são uma maneira rápida e suja de chegar a um tipo diferente de som sem muito esforço. Embora eles provavelmente não ofereçam o som exato que você está procurando, eles podem ser úteis para você começar. Você pode querer começar com uma predefinição e personalizá-la até que esteja correta. Alguns equalizadores, como o do iTunes , mostram a curva da frequência quando você seleciona uma predefinição. Isso pode ajudar você a entender o que diferentes configurações de Equalização podem fazer por você.

Equalizador paramétrico

Equalizador Paramétrico
Imagem de um
Equalizador paramétrico

Equalizadores Paramétricos são complicados, envolvidos e não para os fracos de coração ou usuários inexperientes. Eles geralmente são reservados para gravação ou mixagens, mas aparecem em aplicativos para alto-falantes ou fones de ouvido de tempos em tempos. O uso de um Equalizador Paramétrico envolve o direcionamento de frequências com uma faixa de cerca de cinco a sete pontos de controle móveis configurados ao longo do espectro de frequência  de 20Hz a 20kHz mencionado acima. Cada um dos pontos é visualizado ao longo do eixo X / Y; o plano vertical representa o volume (em decibéis), a horizontal é para frequência. No mundo digital, um Equalizador Paramétrico se parece um pouco com o velho jogo Arcade Galaga , com os pontos de Equalizador móveis agindo como seu canhão. (Felizmente, não há alienígenas descendentes.) Com a gente até agora!

Cada um dos pontos deste Equalizador  é equipado com três parâmetros controláveis: frequência primária, ganho ou aumento da frequência e largura de banda da frequência, também referida aqui como “Q”. Vamos começar com o mais simples e trabalhar o nosso caminho para cima.

Frequência primária é, simplesmente, a frequência real que você está afetando. Normalmente, você encontrará o ponto de equalização mais próximo da frequência que deseja aumentar ou reduzir e, em seguida, simplesmente mova-o para o ponto exato desejado para o efeito desejado. Girar o botão de aumento ou ganho para cima ou para baixo determina o quanto você está aumentando (ou reduzindo) a frequência escolhida em decibéis.

A largura de banda, ou Q, é o parâmetro tecnicamente mais difícil de entender, mas na verdade é bastante simples na prática. (Tecnicamente, largura de banda e Q são definidos diferentemente no esquema mais amplo, mas para nossos propósitos, eles podem ser o mesmo.  Nos termos mais simples, Q (como nos referiremos a partir daqui) reflete como larga a faixa do espectro de frequência que você estará afetando é. Um Q mais amplo afeta uma faixa mais ampla de frequências, e um mais estreito oferece uma equalização mais focada.

Quando você gira o botão Q, você pode ver seu ponto de frequência inchar ou encolher. Reduzir  Q é ótimo para aumentar ou reduzir uma frequência muito específica, é o que você usaria ao tentar eliminar uma ressonância indesejada, por exemplo. Por outro lado, um Q mais amplo afeta uma quantidade maior de frequências – geralmente até 10Hz acima e abaixo – tornando-o mais parecido com um machado do que com um bisturi. Dito isto, a frequência primária é sempre a mais afetada. Geralmente, um Q mais estreito é melhor para cortar frequências e um Q mais largo é melhor para aumentar, mas não há regras rígidas.

Shelf ou Notch?

Além disso (veja, nós dissemos que está envolvido), alguns pontos de Equalização em um equalizador paramétrico podem ser trocados de Notch (o padrão para a maioria dos pontos de controle)ou para Shelf. Shelf  essencialmente elimina todas as frequências abaixo ou acima do ponto que você seleciona, como um penhasco de frequência. Como tal, o Shelf é reservado para os pontos de controle mais baixos e mais altos no seu equalizador.

Na prática, Shelf permite que você defina um ponto, digamos, na extremidade inferior do seu Equalizador, no qual somente frequências mais altas do que esse ponto podem passar por ele (isso é chamado de filtro passa-alta). Você também pode definir um ponto na extremidade alta em que apenas as frequências abaixo do ponto selecionado podem passar (um filtro de passagem baixa). Confuso, certo? Pode ajudar apenas pensar da seguinte maneira…. Para o filtro passa-alta,  impede que os graves passem: “Os graves não passarão!” Para o filtro passa-baixos na outra extremidade, ele impede que todas as frequências acima do ponto selecionado passem: “Os agudos não passarão.

É altamente envolvido, mas a melhor maneira de aprender é simplesmente experimentar. A liberdade atribuída por um EQ paramétrico é extremamente útil em certas situações, permitindo que você personalize totalmente sua equalização e seu som.

Quero comprar um Equalizador

Segmentando seus esforços

Como prometido, fornecemos um detalhamento do espectro de frequências para ajudá-lo a entender quais sons vivem onde. Se você estiver perplexo, este guia pode ajudá-lo a detalhar a frequência ofensiva (ou pobre) para ajudá-lo a fazer um ajuste mais eficaz. Abaixo estão as diretrizes, não regras firmes, e sua própria entrada auditiva é o que torna esse processo ainda mais pessoal e agradável. E esse é realmente o ponto: Divirta-se!

Sub-graves: 20 Hz a 50 Hz

Embora os humanos possam tecnicamente ouvir as profundezas desse registro, a maioria dessas frequências é menos cerebral e mais intestinal. Em algum lugar no meio deste registro é onde o seu subwoofer fará aquele som misterioso de espaço profundo em filmes de ficção científica, e essas frequências podem adicionar algum poder sério e sobrenatural. No entanto, você raramente deseja adicionar mais som, e tirá-lo daqui pode ajudar a dar mais clareza à música.

Baixo: 50 Hz a 200 Hz

Na maioria das vezes, um grave de hip-hop robusto terá início em torno de 60Hz. O registro básico, de maior impacto, que brota do seu subwoofer, reside nesse domínio, incluindo o peso pesado do bumbo, e até a bateria e o baixo. Movendo-se para a linha de 200Hz começa a afetar o mais baixo boom de guitarras acústicas, piano, vocais, baixo-latão e cordas. Se a música é muito pesada, ou não pesada o suficiente, um pequeno ajuste aqui ajudará

Graves superiores para médios mais baixos: 200Hz a 800Hz

Subir acima de 200Hz começa a lidar com o lado mais leve do low end. Esta região é onde o corpo mais polposo de um instrumento fica pendurado. Adicionar volume de Equalização no meio desse espectro pode adicionar um pouco de intensidade a tons mais ricos, incluindo a extremidade inferior dos vocais, notas mais profundas de sintetizadores, baixos metais e piano, e alguns dos tons dourados da parte inferior de um violão. Abaixar o nível um pouco aqui pode liberar algum espaço e abrir o som. Movendo-se para a região de 800 Hz, você começará a afetar o corpo dos instrumentos, emprestando mais peso com adição ou aliviando a carga com subtração.

Midrange: 800Hz a 2kHz

Esta área é delicada e pode alterar o som rapidamente. Colocar os freios nessa região pode tirar o som quebradiço dos instrumentos. Adicionar um pouco de essência, especialmente na extremidade superior, pode dar um toque metálico às coisas e pode desgastar seus ouvidos rapidamente se for pressionado.

Médios superiores: 2kHz a 4kHz

Como mencionado acima, este registro é onde seus ouvidos visam muito seu foco. Adicionar ou subtrair aqui pode aumentar ou diminuir rapidamente o som de instrumentação superior. Soa como o estalo da armadilha, e o barulho de uma trombeta pode ser afetado aqui. Adicionando um pequeno empurrão aqui pode dar mais clareza às consonâncias vocais, bem como violão, guitarra e piano.

Registro de presença / sibilância: 4kHz a 7kHz

Isso é comumente chamado de zona de presença e leva à maior variedade de tons produzidos pela maioria dos instrumentos naturais. Aumentar o limite inferior desta escala pode fazer com que a música soe mais para a frente, como se estivesse um pouco mais perto dos seus ouvidos. Recuar pode abrir o som e afastar os instrumentos para maior profundidade. A extremidade superior desta região também é responsável pelo “S” agudo dos vocais, conhecido como sibilância. Se consoantes pontiagudas estão surgindo em você como a mordida de uma cobra, cortar alguns dB de cerca de 5kHz a 7kHz pode resolver o problema e poupar um pouco de dor e sofrimento.

Registro de brilho / brilho: 7kHz a 12kHz

Aumentar ou diminuir o nível na extremidade inferior deste registro pode ajudar a trazer um pouco de vibração e clareza, adicionando um ataque mais apertado e um som mais puro. Se as coisas ficarem muito agudas ou causarem algum dano depois de ouvir por muito tempo, diminuir a parte inferior desse registro pode ajudar bastante. Em direção ao topo, é onde as coisas começam a se transformar em uma definição menos tangível, afastando-se do que você pode ouvir e mais do que você pode sentir. Essa ressonância cintilante na ponta de uma batida de prato flutua nas regiões deste espaço.

Ao ar livre: 12kHz a 16kHz

Quando você chega aqui, as coisas realmente se tornam mais subjetivas. Os registros de baixo continuam afetando os harmônicos mais altos da instrumentação, e os efeitos de sintetizador da música eletrônica também podem aparecer nessa região, mais som aberto. Existem poucos pontos em que você gostaria de afetar o som em torno de 14kHz ou mais – muitos ouvintes mais antigos não conseguirão ouvir esses sons. Se você quiser aumentar um pouco de espaço na torre da música, você pode adicionar algum nível aqui. Demasiado, no entanto, fará as coisas começarem a parecer sintéticas.

Fonte: https://www.digitaltrends.com/

8 Comentários

  • Luis F M

    Excelente matéria. Super didática! Parabéns pelo conteúdo.

  • Thalison Fernandes

    Essa equalização ai e um lado para grave ea outra pra Voz?

  • Marcos Mattos

    Muito consistente o artigo, ideal para os que estão iniciando no mundo maravilhoso da equalização, e à medida que vai evoluindo neste assunto, dificilmente conseguirá suportar ouvir músicas em modo flat.

    A equalização para mim funciona de forma eficiente para “normalizar” as frequências sonoras dos meus dispositivos bluetooth, os quais normalmente precisam de ajustes específicos para que o áudio tenha uma resposta audível, afinal, cada dispositivo tem suas próprias características de hardware e software, e é aí que equalização traz uma roupagem agradável e bem distante daquela que vem embarcada como padrão.

    Eu uso muito equalizador digital, pois meu hábito é de ouvir música e assistir vídeos via smartphone/Android, e para a grande maioria dos audiófilos o problema maior é conseguir um apk que seja sério e confiável, e também com maior número de bandas para ajustes mais refinados (normalmente limitados a 5 bandas), porém, já existem desenvolvedores que despertaram para este nicho e oferecem um bom projeto de código e algoritmo, com resultados bem diferenciados, mas que ainda enfrentam limitações em relação as bibliotecas do Android que limitam levar o áudio para um outro nível, assim como aos poucos vem acontecendo com a introdução da tecnologia Dolby Atmos, presente na maioria dos modelos de smartphone mais recentes.

    Meu gosto pela equalização surgiu quando comprei um receiver A 290 e um equalizador SH 8028, ambos da Technics, e desse momento em diante acabei me transformando num audiófilo.

    Parabéns pelo artigo! 😉👍

    • Neimar Pro audio

      A Pró Áudio SP agradece seu comentário

  • Gustavo

    Era exatamente o que procurava, parabéns pela profissionalidade do artigo, me ajudou muito

    • Neimar Pro audio

      A Pró Áudio SP agradece seu comentário

  • Marino

    Gostei bastante da explicação 🙂

    • Neimar Pro audio

      Oi Marino, obrigado por sua opinião .

Postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: